Contato

Sobre

O site partiu de uma iniciativa particular de Fabio Roberto, Trollerio e fã da marca, nosso site tem objetivo de facilitar a manutenção do seu Troller, reunindo em um só lugar tudo sobre o Troller e seus componentes além de matérias com  dicas de manutenção.  

Algumas marcas que aparecem em nosso site são amigos que apoiaram a iniciativa e contribuem com conteúdo ou respondendo questionamentos e dúvidas diariamente.

Ajude a divulgar

Cole um adesivo, conte para um amigo, apoie essa iniciativa.

Dia 2 - Deslocamento até São Miguel das Missões

Saímos cedo de Araucária e seguimos pela Rodovia do Xisto. Excelente escolha pois a estrada é ótima, com poucos pedágios e muitos pontos de ultrapassagem, o que facilitou bastante a nossa vida devido ao intenso fluxo de caminhões.

 

Paramos apenas para abastecer e almoçar. Depois de sair do Paraná e atravessar Santa Catarina chegamos no Rio Grande do Sul, local do nosso 2º destino, sem nenhum problema e na hora prevista. Cronograma em dia !

 

Ficamos hospedados, inicialmente, no hotel Barichello (Av. Borges  Canto, 1555) e encontraremos o grupo de loucos no hotel Tenondé (Rua São Miguel, 664), no dia 15/12/2013, onde também ficaremos hospedados até 16/12/2013.

 

Iremos aproveitar o dia 14/12/2013 para conhecer as ruínas da Missão de São Miguel.

Dia 3 - Ruínas Jesuíticas de São Miguel

Aproveitamos o dia livre para conhecer um pouco da história do nosso Brasil.

 

Bem ao lado do nosso hotel encontra-se um parque arqueológico onde estão as ruínas da Missão de São Miguel, uma herança histórica recebida das missões jesuítas do século17 e tombadas pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade, 

 

Para entrar no sítio arqueológico pagamos RS 5,00 adulto e RS 2,50 crianças. A noite, o local fica ainda mais interessante e bonito com a iluminação e um espetáculo que conta a história dos conflitos entre Bandeirantes e Jesuítas pelo domínio dessa região.

 

Impressiona explorar as ruínas e conhecer o que sobrou da Catedral de São Miguel Arcanjo, com 30 metros de altura.

 

A construção dessa catedral teve início em 1735 e contou com mais de cem operários guaranis. Da planta original, há vestígios do colégio, da casa dos padres e do cemitério. 

 

Bem próximo do sítio de São Miguel das Missões estão as ruínas de outras três missões: São Lourenço Mártir, São João Batista e São Nicolau, que, ao lado de São Borja, São Luís Gonzaga e Santo Ângelo, formaram os chamados Sete Povos das Missões.

Dia 4 - Descansando antes de partir para o Fim do Mundo

Fomos para o Hotel Tenondé, onde encontramos os nossos amigos de viagem.

 

Esse foi um dia para descansar, conhecer as novas pessoas e se preparar para os longos trechos que iríamos percorrer juntos até o Fim do Mundo.

 

Ficamos curtindo o hotel e, por descuido, não tiramos nenhuma foto para postar.

Carro abastecido, malas prontas, documentação na mão. Agora é só esperar a hora da largada e partir para a maior aventura de nossas vidas.

Dia 5 - Entrada na Argentina e chegada em Santa Fé

Saímos bem cedo, em 9 carros, de São Miguel das Missões e seguimos direto para São Borja, onde cruzamos a fronteira para entrar na Argentina.

Na divisa dos dois países, atravessamos a Ponte Internacional da Integração, que passa sobre o rio Uruguai e liga os municípios de São Borja, no Brasil, e Santo Tomé, na Argentina.

Ao chegar na margem argentina não tivemos nenhum problema. Todos os procedimentos para realizar a imigração foram realizados tranquilamente e os oficiais  de fronteira foram bastante cordiais.

 

Realizamos o câmbio trocando Reais por Pesos Argentinos à taxa de $1 = R$ 0,27. Carimbamos os passaportes na imigração e entramos com nossos carros sem nenhum problema.

Apesar de todas as exigências para ter cambão, seguro Carta Verde, kit de primeiros socorros etc. nada disso foi checado na entrada. Entramos com o carro sem ter que comprovar nada. 

Poucos metros após passarmos a fronteira, tivemos que pagar nosso primeiro pedágio em solo Argentino. O fato curioso é que esse pedágio só pode ser pago em Reais (R$ 29,00).

 

Já rodando naquele País, passamos pela primeira barreira policial e, obviamente, fomos todos parados para as devidas averiguações. 

 

Apresentamos o DUT, PID e a Carta Verde, respondemos algumas perguntas do tipo: Quantos triângulos você tem ? Para onde está indo ? Cadê o extintor de incêndio ? E fomos liberados para seguir viagem.

 

Mais adiante, no trecho conhecido como Entre Rios, fomos surpreendidos com uma manifestação que estava bloqueando a rodovia e deixando passar apenas 5 carros a cada 20 minutos. Isso nos atrasou pelo menos uns 40 minutos.

 

Os manifestantes interromperam a rodovia com duas grades cheias de pregos e pneus em chamas. Não havia negociação. A polícia apenas olhava o que estava acontecendo e não intervia em nada.

Nessa mesma localidade passamos pela 2ª barreira policial. Segundo informações é a mais complicada delas, pois os policiais ali implicam com tudo e querem te multar por qualquer motivo.

 

Felizmente, também não tivemos problema. Apenas apresentamos os documentos e seguimos em frente, sem ter que responder nada.

 

Chegamos em Santa Fé às 19:00h. Aproveitamos o hotel e nos preparamos para partir na manhã seguinte rumo a Santa Rosa.

Dia 6 - Chegada em Santa Rosa

Continuando nosso trajeto rumo ao Fim do Mundo, partimos para mais um longo trecho de estrada e, após um dia inteiro dirigindo, chegamos a Santa Rosa, uma cidade dos pampas argentinos, para dormir.

 

Ficamos hospedamos no hotel La Campina.

Nesse dia, todas as crianças do grupo já estavam bastante entrosadas e, como a noite só chegava por volta das 21:30h, elas aproveitaram bastante o lugar para brincar e se divertir.

 

E nós também !

1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - 8 - 9

logo T4 CLUBE BRASIL.png